28 de outubro de 2010

De volta às origens...

Yum


Todos os Domingos de manhã era a mesma coisa, o vestido branco rodado com cheirinho a sabão, ao fundo da cama, à minha espera. "-Está na hora Leninha!". A missa era ponto de honra, numa aldeia onde todos se conheciam. Para mim era só mais uma maneira de encontrar a minha amiga das férias de Verão, e trocarmos olhares e caretas! Após o "-Que Deus vos acompanhe." corríamos para a nossa casa de tábua, onde moravam as nossas bonecas, os nossos tachos e panelinhas, onde cozinhávamos folhas de videira e "comíamos" bifes de lama.
O Domingo era o único dia da semana em que não íamos para as fazendas; nos restantes dias, a meio da manhã, lá íamos nós, eu de contrapeso no cesto da burra. Só ao final do dia, já com o sol a esmorecer, regressávamos a casa; a porta de madeira, o chão de cimento, ao fundo a arca com os pães cozidos no forno da ti Joaquina, o grão, os feijões, os bolos ferradura que normalmente acompanhavam o café ou satisfaziam a gulodice de uma menina - o café..... é difícil esquecer o som ritmado da colher a rodar na cafeteira -toc, toc, toc, e o cheirinho que inundava a divisão.... - ao fundo o fogão a lenha, de onde saíam as sopas mais saborosas que alguma vez comi - ao lado um banco feito da base de árvore onde  me sentava e, enquanto a minha tia tomava conta do jantar, eu dizia: "-Tia conta-me a estória do homem dos pés tortos!", e quando acabava "-Tia agora a dos meninos e os rebuçados!", e ela com a paciência de uma pessoa cheia de amor, contava-me as estórias sempre como se fosse a primeira vez!
Fui feliz, na simplicidade e austeridade da vida no campo, fui feliz.
A ti tia agradeço as vivências, as partilhas, o amor!

Com vocês, e No Reino da Prússia, partilho um café, na certeza de que o aroma do da minha tia jamais será esquecido.

 


6 comentários:

  1. É tão bom regressar às origens. Este café trouxe-me à memória o café de borra do lanche da tarde onde molhava um pão com manteiga. Claro que depois do pão terminado não bebia o café que restava porque não gostava da gordura que lá ficava, mas estas sopas eram uma delicia.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. é realmente muito bom...e eu tenho tantas e tão boas recordações da minha infância, principalmente dos verões que passava com esta tia. Escrever esta pequena estória deu-me um prazer enorme e envolveu-me numa nostalgia tão boa!!
    Obrigado Carla pela sua partilha também!

    ResponderEliminar
  3. E deu-me a mim um prazer enorme ler esta estória, Marta! :)
    Com as suas palavras, viagei à sua Aldeia, cozinhei com as folhas da videira, comi o pão da Ti Joaquina e ouvi as estórias dela, sempre enebriada pelo aroma do café, que adoro! E lembrei-me tanto da Aldeia dos meus Bisavós! Com eles, andei também de burrito, quando era criança! :)
    Muito obrigada pela sua participação, que tem mesmo o espírito que a celebração do aniversário do Reino da Prússia pede!
    Beijinhos
    Sofia

    ResponderEliminar
  4. Obrigado Sofia! Acredite que foi mesmo um prazer participar no seu passatempo.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. Uma boa História é sempre servida com um café... E foi assim que o fiz, servi um café e vim aqui cheirar o aroma do café da Tia, as suas Histórias e claro está relembrar as minhas que conto vezes sem conta a minha filha ...
    Obrigada pela viajem ao passado e beijinhos
    Carolina e Margarida

    ResponderEliminar
  6. Adorei a vossa companhia! Um beijinho

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...