22 de agosto de 2016

Polvo à Moda da Terceira

Yum

Esta é uma receita especial, elaborada para uma pessoa igualmente especial.
Há algum tempo, mais do que aquele que gostaria, desafiei a Elizabete a escolher uma receita do livro que ela me ofereceu aquando do Desafio Açoriano.
A receita eleita foi o Polvo à moda da Terceira.
Não sei se estará totalmente de acordo com a tradição açoriana, mas tentei seguir ao máximo as instruções do livro.
A receita é muito simples de elaborar, e tendo como base poucos ingredientes, o segredo para o sucesso está na qualidade dos produtos que são usados. Infelizmente não consegui usar vinho de cheiro, com grande pena, porque acho que esse será exatamente o elemento chave que marca a diferença. Mas na sua ausência, um bom vinho tinto deverá ser sempre a opção.

Elisabete, minha querida, tenho que te dizer que a receita fez sucesso, e obrigado por divulgares a cozinha tradicional Açoriana. Beijinhos





Ingredientes (4 pessoas)
Fonte: Cozinha Regional dos Açores de Balbina Pereira
1 Polvo, com cerca de 1Kg
2 Cebolas
1 c. sopa de Banha
2 c. sopa de Azeite
1 dl de Vinho de Cheiro, ou Tinto*
2 Folhas de Louro seco
2 dentes de Cravinho
Sal e Pimenta q.b.
*Na receita original não vem mencionada a quantidade de vinho a usar, por isso, e após a pesquisa de mais algumas receitas decidi por esta quantidade.

Preparação:
Nota introdutória - Para que o polvo fique bem macio, é melhor que seja congelado e depois descongela-lo no frigorífico de um dia para outro.
Se optar por comprar fresco, tem de o "malhar", ou seja, deverá batê-lo muito bem com o auxílio de um rolo da massa antes de ser cozinhado, para conseguir que seu tecido fibroso se rompa, e dessa forma fique tenro ao ser cozinhado.
O sal só deverá ser adicionado no final da cozedura.
Coloque o polvo num tacho juntamente com o vinho. Deixe cozer em lume baixo, até que o polvo esteja tenro.
Depois de cozido, junte todos os outros ingredientes, e deixe cozer mais um pouco, até que a cebola esteja tenra.
Sirva acompanhado com batata cozida, ou em puré.

9 comentários:

  1. Ficou cá com um aspecto!! Que maravilha!!
    http://asreceitasdamaegalinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. O aspecto deste polvo está de comer e chorar por mais, deve estar mesmo bom :)
    Beijinhos ...
    Guloso qb

    ResponderEliminar
  3. Mas que aspeto fabuloso :) Fica-se logo com água na boca. Também uso a cebola para me orientar na cozedura do polvo, não sei bem como, mas funciona sempre :)
    Parabéns pelo Blog, é de ver/ler e chorar por mais :)

    RBSoares
    http://trintaporumalinhanoticias.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Pode ter demorado um pouco, mas a receita chegou e em grande - tem tão bom aspeto! Fiquei com vontade de experimentar também :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu adoro polvo, pelo que sou mais que suspeita em dizer que é uma receita mesmo muito boa. Além de fácil e prática de se fazer.
      Sucesso garantido!
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Minha querida! Ainda não tinha tido oportunidade de ver esta maravilha! Antes de mais deixa-me dizer-te que a apresentação está lindíssima! Quanto à receita em si é de facto muito simples e muito fácil. O vinho de cheiro é muito utilizado na nossa gastronomia e realmente faz diferença mas é como dizes, um bom vinho tinto resolve a questão! Também é natural que no livro não esteja especificada a quantidade de vinho a usar pois cá usamos muito as medidas a olhómetro! Por vezes é enervante! Ainda há uns dias fiz uma receita de coscorões doces de uma vizinha da minha mãe que já morreu. Ela fazia aqueles coscorões como ninguém. Lembro-me da minha mãe os fazer em casa seguindo a receita dela e não ficarem exatamente iguais! Tal como a minha mãe faz os coscorões salgados e garanto que mais ninguém neste mundo os faz tão bem como ela (modéstia à parte)! Mas como ia a dizer, deu-me saudades dos tais coscorões doces da vizinha e fui procurar a receita! E claro, não dizia a quantidade exata de fermento, não dizia se as colheres de açúcar eram de café, chá, sopa... Fi-los seguindo o meu instinto! E ficaram muito bons! Não tão bons quanto os dela, mas muito próximos! Por isso um dia destes pretendo obrigar a minha mãe a sentar-se comigo e a passar-me todas as receitas de comida regional que ela tem, muitas delas apenas guardadas na memória e que seria uma pena se se perdessem. É que a minha mãe faz comida regional como ninguém. E confesso! Um dia quando for grande sonho ter um restaurante de comida típica Açoriana! E claro está, o polvo fará parte da ementa! Nessa altura terás é de vir cá ensinar-me a fazer empratamentos porque nisso sou uma desgraça! Obrigada por já teres experimentado uma receita do livro! É um gosto poder divulgar a nossa gastronomia! beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Elisabete,
      finalmente 2 minutos para te responder minha querida....as minhas desculpas..
      Um gigante obrigado pelas tuas palavras. :)
      Foi um prazer fazer esta receita, não só pela partilha da cozinha açoriana, como descobrir esta iguaria. Gosto muito de polvo, e esta receita em particular é muito saborosa. Não sei se terei seguido todos os preceitos tradicionais, mas espero que não tenha ficado muito afastada da receita tradicional.
      E esta não é seguramente a única receita que farei do livro! Tens lá outras que também quero experimentar, sem dúvida.
      Espero, de coração, que consigas realizar o teu sonho, e também consigas o livrinho com as receitas da tua mãe!
      Um beijo enorme
      Marta

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...