23 de março de 2016

Arroz de Castanhas Piladas

Yum




Esquecidos por muitos vão certamente os tempos em que era tradição em Alenquer, na semana santa, fazer e comer arroz de castanhas piladas.

Tão esquecidos, que eu não tenho memória desses tempos.

Embora ainda haja algumas famílias e restaurantes da zona que tentam recuperar esta tradição, o facto é que cada vez menos são as pessoas que conhecem e que fazem a receita.

Para isso também contribuirá seguramente o facto de quase já não se conseguir encontrar castanhas piladas à venda. Encontrá-las é quase como que encontrar um tesouro.

Lembro-me bem de a minha tia as ter, como tinha tantos outros frutos secos. E mesmo quem não as fazia tinha a facilidade de encontrá-las à venda nas feiras, ou nas mercearias.

Além de usada em variadas receitas salgadas ou doces, a castanha pilada era também comida como se de um rebuçado se tratasse. Um rebuçado precioso. Punha-se na boca, e depois, lentamente ia-se deixando que a castanha se fosse hidratando, até que se desfazia e libertava todo o seu sabor. Um sabor único. Disso sim tenho memórias! Memórias de miúda!

São as memórias que me dão mais prazer na arte da culinária. Aquele sabor, aquele aroma, aquele determinado ritual à volta de uma determinada receita, e as lembranças afloram. Lembramos locais, pessoas e momentos especiais….. e isso é o mais delicioso de tudo.

Na tentativa de avivar memórias, e contribuir para que esta receita e tradição não se percam, trago-vos o arroz de castanhas piladas.

Importa lembrar que, num contributo histórico, que “em várias localidades da região oeste o arroz de castanha pilada era um prato recorrente durante a semana santa – “quinta-feira santa, sexta-feira de paixão, sábado de aleluia e domingo de ressurreição” – principalmente na quinta-feira e na sexta-feira, altura em que se fazia um jejum mais rigoroso e não se comia qualquer tipo de carne. Nesses dias era habitual as famílias comprarem nas mercearias locais um pacote de castanha pilada (castanha descascada e seca) para confecionarem este prato que era servido como refeição principal e não como sobremesa. Vários relatos referem que na quinta-feira e sexta-feira santas o arroz de castanha pilada era “comido até se ficar enjoado, não se comia mais nada nesses dias”. Em relação à receita atual, alguns testemunhos referem que antigamente o prato era confecionado apenas com água, sem leite e com menos açúcar.” – Texto in Memoriaimaterial Saberes e Sabores Tradicionais

Importa salientar que a elaboração desta receita só foi possível com o contributo da Sweet Castanea, que acredita que a castanha pilada continua a ter o seu espaço, e apostou na sua comercialização. Um bem-haja.

E para os que tiverem curiosidade e queiram (re)avivar memórias, vejam este vídeo:
Não se vão arrepender. Garanto.





Ingredientes:
1kg de Castanha Pilada Sweet Castanea
1kg de Arroz Carolino Pato Real
1Lt de Leite
4 Paus de Canela
800g de Açúcar
125g de Manteiga
Sal q.b.
Canela em Pó para decorar

Nota: As quantidades apresentadas estão tal qual a receita original que encontrei, e que a ser usada como refeição principal durante a semana santa não são quantidades exageradas; contundo, e uma vez que não usei a receita para esse fim, tive necessidade de adaptar as quantidades. Neste caso usei 200g de Castanha Pilada Sweet Castanea, e ajustei os restantes ingredientes.

Modo de preparação:
Deixe as castanhas piladas de molho de um dia para o outro.
No dia seguinte, coza as castanhas com um pouco de sal.
Quando a cozedura estiver concluída escorra as castanhas e reserve a água. Junte a água das castanhas a um pouco de água quente que vai servir para cozer o arroz.
Quando o arroz estiver meio cozido e com pouca água junte o leite e os paus de canela, e deixe acabar de cozer.
Quando o arroz estiver bem cozido junte o açúcar, mexa e junte a manteiga e a castanha cozida. Deixe um pouco mais ao lume, sem que deixe secar.
Retire do lume e deixe repousar alguns minutos.
Distribua por pequenos recipientes e enfeite com canela em pó.


Nota: O açúcar só deve ser colocado depois do arroz estar bem cozido porque senão encrua o arroz.

8 comentários:

  1. Deve ser absolutamente delicioso! Hoje também fiz arroz doce, e por acaso tinha castanhas no congelador, mas não tive a mesma audácia que tu! Olha, levo a ideia de usar as formas da filhós para marcar o arroz com a canela. Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Que arroz interessante. Nunca me passaria pela cabeça arroz de castanhas piladas. Fantástico. Viva as memórias.
    Beijinhos

    http://bimbysaboresdavida.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Olha que história fantástica e interessante, apesar de ser/morar em Alenquer e de conhecer algumas das nossas tradições desconhecia completamente esta das castanhas. Muito obrigado por me forneceres mais um pouco da nossa linda Terra!!

    Este arroz também ficou muito bonito!!

    Boa Páscoa!!

    Beijinhos

    Daniel | http://deaprendizachef.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Bem!! Este post junta tudo aquilo que eu gastronómicamente falando, não aprecio!! Arroz doce e castanhas! No entanto acho tão mas tão louvável este teu espaço que dá a conhecer os sabores de outros tempos e tradições que se vão perdendo da nossa gastronomia regional! Lembro-me vagamente das castanhas piladas em casa dos meus avós, mas nao as comia - como disse, não gosto de castanhas - e no entanto, mal vi o nome, a memória de outros cheiros e sabores avivou-se quase como se estivesse dentro da cozinha da minha avó com as suas três despensas... sim, a cozinha para mim também passa muito por isso, pelas memórias olfactivas e de paladar, que me recordam momentos, locais, pratos e me fazem como que viajar no tempo e tentar recriar algo que me fez tão feliz!
    http://bloglairdutemps.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Tão interessante esta sugestão e toda a sua estória.
    Confesso que não conhecia este arroz com castanhas piladas e fiquei curiosa e feliz por me la apresentares.
    Um beijinho e obrigada,
    Lia

    ResponderEliminar
  6. Não conhecia a receita, mas acho que tem mesmo de ser reavivada na memória de todos, porque o aspeto é maravilhoso :)

    ResponderEliminar
  7. Que história fantástica! Ficou com um óptimo aspecto, carregado de memórias :)

    Beijinho,
    http://asreceitasdamaegalinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. A minha avó muito embora não fosse do Ribatejo mas do Alto Alentejo fazia-o e era delicioso, o q eu corri por esta receita. Obrigada

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...