9 de março de 2016

Folar de Rosas com Compota de Castanha

Yum
Com a certeza de que me estou a tornar um pouquinho repetitiva, mas ainda assim não resisto insistir em dizer que a tarde que passei no Mercado Gourmet do Campo Pequeno ao lado da Sweet Castanea, no passado dia 6 de Março, foi maravilhosa.
Foi muito especial, poder estar num espaço privilegiado como o Mercado Gourmet, ao lado de duas pessoas extraordinárias e de uma generosidade enorme.
Foi muito bom falar com quem ia provando as minhas receitas, receber dicas, trocar experiências, receber feedback positivo, e sentir o carinho de todos os que por ali iam passando...  muito obrigado, do fundo do coração.
Não existe recompensa maior para o que fazemos do que sentir-mos que o nosso trabalho e dedicação são valorizados e apreciados. Um bem haja a TODOS.

Para o evento levei 4 propostas, uma Torta de Chocolate com Compota de Castanha, com uma decoração um pouco mais Pascal; levei ainda o Bolo de Chocolate com Castanhas em Calda de Gengibre; e fiz duas receitas novas, dois tipos de folar, um de rosas, e outro à Italiana.

Hoje partilho uma das receitas de folar, que é uma proposta deliciosa para a Páscoa, que está quase, quase aí.

É um folar bem simples de confeccionar, muito saboroso e com a mais valia de ser uma receita diferente. Com ela podem surpreender os vossos convidados, com a certeza de fazer sucesso!

Espero que gostem!






Ingredientes:
500g de Farinha de Trigo T55
25g de Fermento de Padeiro Fresco 
70g de Açúcar
150ml de Leite
50g de Manteiga sem sal, à temperatura ambiente
2 Ovos
1 c. café de Erva-doce em pó
1 pitada de Sal Fino
Raspa de 1 Laranja
1 Emb. 250g de Compota de Castanha Sweet Castanea
1 Emb. 250g Castanhas em Calda Vinho Porto Sweet Castanea
1 c. sopa Mel




Preparação:
Aqueça o leite com a manteiga. Retire do lume e mexa até que a manteiga derreta. Deixe amornar e desfaça o fermento de padeiro fresco no leite. O leite não deve estar muito quente, só morno, senão corre o risco de reduzir o efeito do fermento ou até mesmo anular.

Coloque a farinha, o açúcar e ovos ligeiramente batidos, numa taça e misture sem amassar. Junte a raspa da laranja, o sal e a erva-doce, e envolva novamente.

Junte a mistura de leite e fermento e amasse, até obter uma massa lisa e elástica. Ao início a massa vai estar mole e muito húmida, mas à medida que for amassando ela vai tornar-se mais elástica e consistente. Não caia na tentação de juntar mais farinha, senão corre o risco de acabar com uma massa muito pesada e seca. Trabalhe bem a massa com as mãos, e se necessário de vez em quando retire o excesso de massa das mãos, salpique levemente as mãos de farinha, e volte a amassar.

Molde a massa em forma de bola, coloque dentro de uma taça salpicada com um pouco de farinha, e deixe levedar durante 1 hora, tapada, e numa zona abrigada e morna.

Depois do primeiro processo de levedura completo, estenda a massa, com a ajuda de um rolo, numa superfície polvilhada com farinha de modo a formar um retângulo.

Barre a massa com a Compota de Castanha Sweet Castanea.
Escorra as Castanhas em Calda de Vinho do Porto Sweet Castanea, e reserve a calda. Pique grosseiramente as castanhas e espalhe por cima da compota.
Enrole a massa, a partir de um dos lados mais compridos, como se fosse uma torta, e corte em 10 ou 12 pedaços.

Unte uma forma redonda de 22 ou 24 cm com margarina e disponha as rodelas de massa.

Tape e deixe levedar novamente durante 30 minutos.

Leve ao forno, pré-aquecido a 180ºC, durante cerca de 50 minutos.

Aqueça a calda das Castanhas em Calda de Vinho do Porto Sweet Castanea com a colher de sopa de mel.

Retire o folar do forno, e ainda quente pincele o folar com a calda (use a calda toda).

Deixe o folar amornar dentro da forma.


Desenforme e deixe arrefecer por completo numa rede antes de servir.


Receita adaptada de Cinco Quartos de Laranja

22 comentários:

  1. Que coisa boa!
    Eu não sou de folares, mas confesso que este me deixou a salivar e com vontade de o provar.
    Que bom que foi uma experiência memorável essa tua.
    Um beijinho,
    Lia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi uma tarde memorável sem dúvida!
      Eu também não era muito de folares, mas confesso que me vão cativando :D
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Oh pá, esse folar deve ser para lae de bom! Adoro compota de castanha por isso cada dentada deve ser um prazer! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fica mesmo muito bom com a compota de castanha!
      Tens de experimentar :)
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Ficou um dólar fantástico. Compota de castanhas deve ser óptimo. Humm...delicioso.
    Beijinhos!!

    Bimby & Sabores da Vida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A compota de castanha funcionou muito bem no folar! Diferente e surpreendente :)
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Esse folar deve estar divinal! E essa compota de castanha deve ser qualquer coisa de muito bom!
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta compota é maravilhosa!
      E o casamento da compota com a massa levemente húmida deste folar resultou muito bem.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Não sou de todo apreciadora de folares nem de castanhas mas o aspecto deste... acho que o comia todo de uma só dentada!
    http://bloglairdutemps.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LOL
      de uma só dentada talvez não conseguisse, mas em duas ou três talvez já fosse capaz! :)
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Tão lindo que ficou este folar!! Nunca fiz um folar de rosas, só os "normais", mas com esta publicação estou muito muito tentado a fazê-lo :P

    http://deaprendizachef.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta também foi a minha estreia em folares de rosas!
      Sempre os achei lindíssimos, e modéstia à parte, acho que este ficou com uma cor muito bonita, bem apelativo! e de sabor é maravilhoso :)
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Fiquei com água na boca além de lindo leva compota de castanha OMD que delícia :D

    ResponderEliminar
  8. Adorei a sugestão! Um folar diferente e delicioso :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, sem dúvida diferente, mas muito rico em sabor.
      Uma proposta diferente, mas capaz de fazer as delícias da família!
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Loie and I visited Vila Nova de Foz Coa last month, and we were guided by Angela Junqueiro of Trilhos do Passado. I saw a link to this page on her Facebook page, and was excited. At first I thought Angela knew where we could buy a Folar de Rosas, but she explained that she sold the Sweet Castenea products with which to make a Folar. So we bought four jars and I made our first Folar for Thanksgiving.

    The most fun of all this was that I realized your dough recipe is exactly the same as I have been using to make "Sticky Buns" as my mother made them, and as her mother-in-law made them! (The recipe can be found in my mother's 1943 edition of The Joy of Cooking; Parker House Rolls.) I have posted a picture of my Folar and a plate of Sticky Buns on Angela's Facebook page.

    I hope you will excuse my presumption in adding a tip for the recipe: activate dry yeast in a little bowl of a few tablespoons of warm water while the milk is seething. The warm milk can be beaten with the egg(s) to help cool it, and then the activated yeast can be added to the liquids.

    Everyone enjoyed my Folar AND Sticky Buns at Thanksgiving! Thank you for the idea.

    Yours Truly,
    Bucky Edgett
    Westminster, MD USA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hello Bucky and Loie,

      I felt so happy when I finished reading your comment! Thank you so much for leaving this notes on my blog, and I truly am grateful that you liked the Folar the Rosas with Sweet Castanea jam. It's absolutely divine the chestnut jam isn't it?
      It's also a very interesting and lovely coincidence that this dough Folar recipe is already well known by you, and even more that it is a family recipe! :) How cool!
      And THANK YOU for the tip about the dry yeast. Next time I do this recipe I will try doing it that way.
      Thank you, once again, for sharing with me your experience of making your first Folar, and I very glad that you were inspired by this recipe.
      Best regards
      Marta Dionísio

      Eliminar
    2. Dear Marta,

      (Please delete this post if it is not appropriate)

      Thank you for your kind response. I can offer another other tips on how to make the dough without relying on measurements, that will reveal the secrets of proper consistency. But I do not want to "Intrude" on your kitchen too much! Let me know if you would like more advice from an old guy.

      Eliminar
    3. Hello Bucky,
      Of course I would appreciate some more tips! It would be great :)

      Thank you

      Eliminar
  10. To make my sticky bun dough, I use a mixer with a dough hook. There are tricks to that, but the basic proposition is that yeast dough goes through three stages/states. The first is "shaggy/crumbly." The second is is "sticky," and the third is "tacky."

    I apologize for having to use English words, I don't know the Portuguese! So I will try to describe the stages and my methods. I never measure my flour. I have made this dough so many times, I learned to rely on the stages, not the measuring. The temperature and humidity in your kitchen, the type of flour, the size of eggs, the actual fat content of the milk and butter all influence the amount of flour needed to make a tacky dough. So I recommend measuring the flour, but not adding it all at once. Begin with 3/4 of the flour, and then add as needed.

    When the flour is first added to the liquids, it makes shreds and lumps. (Shaggy/crumbly.)

    After a few minutes of mixing, the mixture turns "sticky." That is, it makes a single smooth mass or ball, but the dough is still sticking to the sides of the bowl and to the spoon or dough hook. Then you turn it out onto a floured board and knead by hand for a few minutes, dusting with sprinkled flour until the dough is not sticking to the board or your hands. BUT, the dough should still be "tacky:" that is, it should still FEEL a bit sticky, like a piece of scotch tape or masking tape "sticks" to your fingers, but it doesn't leave anything ON your fingers when you pull it off. That's how you know it's just right: tacky, not sticky!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hello Bucky,
      Your description of the various stages / states are quite explicit, and therefore easy to understand :)
      The next time I make this kind of dough I'll use your tips, for sure!
      Thank you so very much :)
      Best regards
      Marta

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...