1 de dezembro de 2020

Filhoses de Vinho do Porto

Filhoses, cuscurões, arroz doce, pudim de ovos, Bolo Rei...existe um sem fim de doçaria que gostamos de trazer à nossa mesa por estes dias. Algumas sugestões mais tradicionais, outras menos, mas todas com o proposito de alegrar as nossas mesas e os nossos olhos :) 

Esta sugestão do chefe Hernani Ermida, alia a tradição à originalidade, não vos parece?
Digo-vos que estas filhoses são viciantes, muito saborosas e que desaparecem num piscar de olhos. E sabem o melhor? Sâo tão fáceis de fazer!


22 de novembro de 2020

Gelado de Romã (Pomegranate Ice Cream)

 

Um gelado cremoso sabe sempre bem, mas sabe ainda melhor se o dia for ameno e com um solinho que nos faz sentir muito bem, como foi o dia de hoje.

Esta receita é uma daquelas que podemos fazer de manhã para desfrutar ao almoço. Simples, rápida e deliciosa.



8 de novembro de 2020

Panna Cotta de Romã (Pomegranate Panna Cotta)

 A receita de hoje é uma simples e elegante Panna Cotta de Romã.

Chamar-lhe Panna Cotta não é rigoroso, uma vez que nesta receira não cozemos as natas, aliás nem existem natas na sua composição...mas como a sua consistência, sabor pouco doce e textura é muito próxima dessa sobremesa, decidi dar-lhe esse nome. Talvez se colocarem menos quantidade de gelatina, a sua consistência se aproxime de uma mousse. Eu claramente prefiro-a assim, firme e pouco doce, a fazer lembrar uma panna cotta. 

A romã é dos meus frutos preferidos do outono. Adoro a sua cor, a textura e o sabor.

Esta receita foi feita para participar num desafio que há muito tinha vontade de me poder envolver... é o desafio da Lucia Marecak, no qual ela partilha dicas de fotografia.

O desafio deste mês aprendemos a interpretar e usar o esquema de cores na combinação e criação das nossas composições.

Além da receita, partilho convosco 4 composições diferente onde tentei usar 4 padrões diferentes.

O desafio que deixo aqui é, visitem também o site da Lucia, e se eu consegui aprender a interpretar e aplicar alguns dos possíveis esquemas, vocês poderão identificar alguns nas fotos que aqui partilho. Vamos a isso?   😊  No final do post encontram um esquema


Qual é que gostam mais?






 

 Ingredientes:

120ml +50ml de Água

2 chávenas de Bagos de Romã

250g de Iogurte Grego Natural

1 c. café de Extrato de Baunilha

12g de Gelatina em Folha

4 c. sopa de Açúcar

Bagos de Romã e Folhas de Hortelã para decorar

 

Preparação: 

Coloque as folhas de gelatina a hidratar em água bem fria.

Coloque os bagos de romã, com os 120ml de água, num processador de alimentos e processe alguns segundos. Passe o suco por um passador de malha fina e reserve.

Numa taça coloque o iogurte, o extrato de baunilha e o açúcar. Envolva a mistura até obter uma textura lisa e cremosa. Adicione o sumo de romã e envolva de novo.

Aqueça os 50ml de água até ao ponto de quase fervura (mas sem deixar ferver) e junte as folhas de gelatinas bem espremidas. Mexa rapidamente até a gelatina dissolver por completo. Deixe amornar um pouco, mas não mais que um minuto ou dois.

Adicione a gelatina em fio à mistura de iogurte e romã e envolva bem.

Distribua a mistura por tacinhas e leve a refrigerar, de preferência de um dia para o outro, ou por pelo menos 3-4 horas.

Antes de servir decore com uns bagos de romã e umas folhas de hortelã.




-------------




29 de junho de 2020

Cavacas de Pinhel



Vou começar por vos dizer que se desfazem na boca; que têm a quantidade certa de doce e a textura ideal, que são deliciosas.  São as Cavacas de Pinhel.  



A primeira vez que provei as Cavacas de Pinhel foi quando participei na Feira da Castanheira de Trancoso e fui apresentada à D. Conceição, não só uma talentosa doceira como uma pessoa deveras especial, pela qual é impossível não sentir uma empatia imediata e uma profunda admiração. Ela emana uma alegria de vida contagiante!  E sempre que penso ou que falo com ela é inevitável não sentir um privilégio de a ter conhecido. A ela e ao Sr. Francisco, o seu companheiro de vida e de trabalho. Os dois, há mais de 30 anos confecionam e dão forma a estas famosas, gigantes e viciantes Cavacas.



Estes bolos, feitos com ovos frescos, farinha, açúcar e um preparado “que é segredo”, são colocados numa pequena forma e, uma vez no forno, a massa cresce e forma uma espécie de pinha que depois é “pintada” com um preparado branco de claras pasteurizadas.
E como diz o velho ditado “são de comer e chorar por mais”.

Quando há dias vi um post de Facebook onde a D. Conceição referia que enviava os seus doces para todo o país, achei que seria o momento e o presente certo para surpreender os meus colegas de trabalho. E assim foi. Todos adoraram e já vem uma segunda fornada a caminho 😊

Para quem ainda não conhece este bolo tradicional português, espero que vos tenha aguçado a curiosidade o suficiente para o irem descobrir. Mas quem já o conhece, não se esqueçam de “matar saudades”. A D. Conceição espera pela vossa visita em Pinhel ou pelo vosso telefonema. As vossas cavacas estão à distância de um clique 😊

Desfrutem deste bolo e ajudem a divulgar este produto português.
Visitem e partilhem a página de Facebook das Cavacas de Pinhel e façam as vossas encomendas através do 964 864 387

Se quiserem ver o processo de fabrico, vejam este pequeno vídeo da confeção das Cavacas de Pinhel:



21 de junho de 2020

Gelado de Pistachio (Pistachio Ice Cream)


Não sou uma “Ice Cream Lover”, nunca fui, mas de vez em quando sabe muito bem desfrutar de uma bola de gelado cremosa e bem refrescante.  São os de nata que mais me satisfazem. Cremosos, densos, decadentes, ricos em sabor. Costumo ser muito clássica nos sabores elheitos… gosto de me manter pelos tradicionais sabores a morango, baunilha, limão….o chocolate vem bem no fundo da lista 😊     mas aqui há dias passei por uma foto de um gelado de pistachio e a sua cor, o seu vibrante verde, prendeu de tal maneira o meu olhar, a minha gula, que não descansei enquanto não fiz um.
Não segui receita nenhuma em especial, misturei umas quantas, e acabei numa versão que achei que me poderia satisfazer. Fugi dos que incluem ovos na sua confeção, e mantive-me pelas natas e leite.
A cor…bom a cor é outro tema interessante. Na maioria das receitas que têm uma cor verde viva, deslumbrante e que nos prende o olhar, acrescem corante seja em verde líquido ou em pó. Eu optei por usar o pó de matcha, que me pareceu uma solução mais eficaz e saudável.  No entanto a quantidade que usei foi muito reduzida em relação à maioria das receitas e das quantidades descritas em outras receitas, porque quando acabei de misturar os pistachios ao creme de natas, a cor obtida já era de um maravilhoso verde claro. Por isso a quantidade de corante a colocar é mesmo uma escolha pessoal.
Outra questão é os pistachios a usar. Eu usei torrados e sem sal, descascados e retirei o máximo que consegui da pele seca; mas podem obviamente usar com sal, até acho que vai realçar o sabor.
O sabor esse, é muito bom. Por aqui foi mesmo um sucesso, de tal forma que até o meu filho mais velho, que ainda consegue ser clássico que eu, gostou, repetiu e ficou fã.   It’s a winner!
Esta não é seguramente a versão mais saudável, nem pretende ser, mas facilmente e com poucas alterações podem adaptá-lo às vossas necessidades/opções alimentares. O leite pode ser substituído por bebida vegetal e as natas por leite creme de coco por exemplo. Sejam criativos, mas não deixem de o experimentar 😊

Espero que gostem e viva o verão e a sua chegada.


31 de maio de 2020

Mini Pavlovas de Chocolate & Clementina (Mini Chocolate & Clementine Pavlovas)

Apesar das altas temperaturas, ligar o forno não é difícil. É quase um ato essencial para um bom equilíbrio emocional. E é em pequenas rotinas que encontro a estabilidade para continuar a viver este novo normal.

Irrealisticamente, seria tão bom poder acordar amanhã e isto ter sido só um sonho estranho…

 

Adocemos esta nova e esquisita realidade.

 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...